quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Buscando o Caráter de Cristo


O homem é “um ser de busca”. Isso significa que vive em uma contínua procura por algo ou alguém que preencha os recantos vazios da alma e que também sirva de motivação para a vida. Esse anseio que arde em nossos corações não é algo advindo apenas na fase adulta, pois desde a infância procuramos “nos espelhar” em alguém. Ainda meninos, aspiramos, conscientes ou não, por um modelo que imprima pensamentos, ações e valores que nos guiem a felicidade.

Os primeiros exemplos encontramos na família. O fato de o contato com os pais ser o mais intenso, contribui para que se tornem os primeiros objetos de imitação e desejo: “Quando crescer, quero ser igual a meu pai”. Só que no decorrer do entrosamento social, expandimos o círculo das relações, e conseqüentemente, conhecemos pessoas e modelos novos: admiramos professores, achamos “legais” alguns amigos da rua e colegas de escola, nos inspiramos em alguns líderes, etc.

Entretanto, durante o aprofundamento dos relacionamentos descobrimos que os heróis escolhidos não são capazes de satisfazerem plenamente nossas expectativas. Chegamos a conclusão que todos são tão decepcionantes quanto nós. E aí, partirmos para o transcendente, ou seja, para aquilo que é supra-humano e que entendemos ser capaz de suprir as carências do espírito e mostrar a direção para a fonte da vida plena. Nesse frenesi, alguns vão com muita sede e acabam mergulhando na primeira cisterna de “espiritualidade” que encontram. Quando percebem, estão todos sufocados na alienação e infelicidade. Outros, iludidos pela facilidade, pegam o atalho da religião e criam um “deus” que não é Deus, mas um reflexo de suas vontades. Assim, enganam e são enganados. Mas, então, onde posso encontrar o real e melhor sentido para minha vida? Qual o modelo mais seguro?

O inventor de algo é a pessoa mais apropriada para explicar como sua invenção deve funcionar. Em outras palavras, somente o Criador é capaz de mostrar-nos o Caminho ou a trilha que ao mesmo tempo nos confronta com a verdade e preenche os vazios. A busca pelo sentido da vida termina em Deus. Foi Ele mesmo Quem decidiu na Pessoa de Jesus Cristo mostrar-se ao homem e ensinar-lhe a Vereda que conduz a vida antes e depois da morte. NEle o homem se encontra, se compreende, pois a excelência do caráter de Jesus evidencia nossa debilidade e serve como modelo para ações e pensamentos.

Mas o que há de tão especial no caráter de Cristo? Vamos por partes. Primeiramente, leia a definição etimológica de caráter: “Caráter vem do verbo grego "Charásso" que significa entalhar, cunhar. A idéia de caráter é como nossa alma foi sendo "talhada" no passar do tempo, através de experiências e escolhas. Ela pode ter sido "bem talhada" (bom caráter) ou "mal talhada" (mau caráter)”. A psicologia o define como “o aspecto da personalidade responsável pela forma habitual e constante de agir peculiar a cada indivíduo”. Sabendo disso, como podemos considerar o caráter de Cristo? Como sendo talhado por Deus e manifestado em hábitos plenamente virtuosos.

Se fossemos examinar cada elemento do caráter de Jesus, teríamos de escrever um livro ou expor todas as biografias neotestamentárias. Por isso, quero mencionar apenas um aspecto revelado na adoração: a Sua contínua submissão ao Pai. Ele mostrou que mais que um ritual, adorar a Deus é um estilo de vida, um sentimento de entrega e abnegação que deve acompanhar o homem em todas as situações (Jo. 5.19,30; 6.38; 12.50; 14.10, 31; 13; 17.4; Fp. 2 5-8; Hb. 5.8). Sua postura de servo mostrou que a submissão ao Pai, não deprecia ninguém, mas destaca o valor da humildade (Mt. 5:3).

Deus deseja que todos os homens creiam e imitem a Cristo. Buscar o Seu caráter é o caminho para um viver pleno de paz consigo, com o próximo e com Deus. Por isso, decida andar como Cristo andou (1Jo 2.6). Comece sendo submisso ao Pai. Jesus é o modelo.
Pr. Alex Gadelha

O Espírito Excelente de Daniel



“Então, o mesmo Daniel se distinguiu destes presidentes e sátrapas, porque nele havia um espírito excelente; e o rei pensava em estabelecê-lo sobre todo o reino”. Dn. 6:3.

Fico maravilhado todas as vezes que estudo a pessoa de Daniel. Enquanto meditava na sua biografia, chamou-me a atenção algumas expressões referentes ao seu caráter. Dentre elas duas se destacaram:

- Os súditos do rei reconheceram nele um homem de “espírito excelente” (5:12).
- Ele foi chamado pelo anjo Gabriel de “homem mui amado” (9:20-23).

Daniel conquistou a admiração dos três reis babilônios para quem trabalhou, de toda a corte e do próprio império onde governou. Se isso não bastasse, ainda atraiu o coração do próprio Deus.
Mas o que Daniel tinha que o fazia distinto? A expressão espírito excelente pode explicar. A palavra excelência deriva-se do latim exellentia, e refere-se a algo ou alguém de qualidade superior, de grandeza, elevação. Quais virtudes faziam de Daniel uma pessoa assim?

1. Inteligência: Daniel recebeu de Deus além da capacidade de decifrar sonhos e visões proféticas, o dom da percepção clara e fácil. Era alguém que tinha habilidade em lidar honestamente com circunstâncias desfavoráveis. Engenhoso e eficaz em tudo o que fazia, conquistou a fama que atribuía a Deus (Dn. 1:20, 2:20, 21; 5:12, 14).

2. Sabedoria. Ele não só possuía extensos conhecimentos, também se portava de maneira ética, guiado pela lei do seu Deus. Tanto que conquistou a afeição dos reis Nabucodonosor, Belsazar, Dario e Ciro. O seu comportamento ilustra a sabedoria do alto descrita em Tiago 3:13, 17: “Quem entre vós é sábio e inteligente? Mostre em mansidão de sabedoria, mediante condigno proceder, as suas obras”. “A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento”.

3. Prudência (Dn. 2:14). A postura de Daniel reflete a atitude que Jesus pediu para que seus discípulos desenvolvessem: “ser simples como as pombas e prudentes como as serpentes” (Mt. 10:16). Sua simplicidade e prudência fizeram com que gozasse o favor do rei (Pv. 14:35).

4. Humildade: “... não porque haja em mim mais sabedoria do que em todos os viventes” (2:30). A humildade era uma marca deste jovem. Quando interpretou o complexo sonho de Nabucodonosor, não se portou de maneira altiva, mas deixou claro que Deus queria deixar consciente ao rei as cogitações que inquietavam a sua mente. Daniel seria um bom discípulo de Jesus, pois assim como Ele demonstrava-se manso e humilde de coração (Mt. 11:29).

5. Reverência/temor (Dn. 10:11). Daniel tinha um zelo por Deus extraordinário. Ao receber
suas últimas revelações tremeu diante da presença de um anjo enviado pelo Senhor. O anjo o consolou e o fortaleceu, porque sabia que ali estava um homem a quem Deus amava. “... mas o homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra” (Is. 66:2).

Ainda poderíamos falar sobre os bons conselhos de Daniel (4:27), sua incorruptibilidade (5:16, 17), seu perfil de servo do Senhor (6:20), seu espírito investigativo (8:15; 9:2), sua vida consagrada (9:3).

Daniel, homem, profeta, exemplo de servo de Deus. Quero imitá-lo.

Pr. Alex Gadelha

Sobre renúncias



Adeildo Filho

Renúncia. Taí outra palavra que vem perdendo seu significado ao longo do tempo.

Sempre que ouvia essa palavra minha mente automaticamente a conceituava como algo nobre, ou seja, alguém que possuía um imenso direito abriu mão dele e do benefício dele em favor de outra pessoa. Mais ou menos como uma mãe que renuncia seu tempo e suas noites em favor do filho, ou então o avô que renuncia o dinheiro de sua aposentadoria para que o neto possa estudar em um colégio melhor. Invariavelmente a renúncia (na minha cabeça é claro) significa deixar, abandonar ou desistr de algo bom e não substituí-lo por nada além da vontade de fazer o que é certo, o que é bom.

Pois bem, os anos vão passando, o amor vai esfriando e a renúncia começa a ter outro sentido. Renuncio uma coisa que a meu ver não é tão boa assim em favor de outra que considero melhor. Deixo, abandono e desisto daquilo que não tem mais valor para mim e vou em busca de algo melhor.

A verdadeira renúncia foi exemplificada por alguém que abandonou toda a sua glória para que os nós-cegos (como eu) pudessem achar uma saída. De quebra substituiu o seu manto pela pele nua, sua coroa por espinhos, louvores por cuspos na cara e seu trono por uma cruz.

Realmente não se fazem mais renúncias como antigamente.

Heróis de Barro



Carlos Moreira

É, talvez eu seja simplesmente como um sapato velho, mas ainda sirvo se você quiser, basta você me calçar que eu aqueço o frio dos seus pés”. Sapato Velho - Roupa Nova.


Não sei você, mas eu sempre tive a tendência de olhar para os homens e mulheres de Deus nas Escrituras como heróis. Cada vez que lia suas histórias minha lista de Hebreus 11 aumentava. Aqui e ali, ia adicionando nomes ao meu “rol dos fantásticos”.

Lembro que, desde sempre, mensurei a questão de forma simples: herói tem de ser herói mesmo! Gente resignada, obstinada, focada em um propósito existencial. Gente de envergadura, de caráter, que estivesse disposta a gastar a vida em prol de uma causa, de sofrer pela pureza de sua fé, de servir a todo custo, de soerguer-se das quedas, de perseverar nas situações mais dramáticas. Herói, para mim, tinha de ser de aço: firme, forte, inquebrável!

Mas os anos se passaram... E já se foram 28 desde que conheci a Jesus. Neste tempo acabei entendendo que heróis de aço são, no fundo, homens de barro. Sim amigos, heróis também cansam e caem, mesmo que não queiramos acreditar nisso. Heróis que nunca perdem só existem nas histórias em quadrinhos...

Cazuza, já no fim da vida, talvez alquebrado pelas dores da doença que o vitimou, consciente das banalidades da vida, da futilidade dos dias, da mesmice dos tempos, do vazio da alma, colocou em sua poesia urbana a frase “meus heróis morreram de overdose”. Os meus, é certo, disto não morreram, sobretudo porque suas causas eram outras. Mas, como a velha roda de moinho que se desfaz junto ao poço, também se esfarelaram pelos córregos da vida, deixando o pó das perdas e dores se diluir na pequena corrente de água que vai, como a existência humana, rio abaixo.

Hoje, depois que entendi que “as marcas marcam mais do que os marcos”, comecei a olhar para os meus heróis com um olhar mais pragmático, mas não menos misericordioso. Noé, meu irmão na fé, ficou tão embriagado a ponto de tirar a roupa e dançar nu; Moisés, olhando para o poder bélico do Egito, sugeriu que Deus escolhesse outro “otário” para libertar o Seu povo; Abraão, o pai da fé, com medo de morrer, mentiu ao Faraó dizendo que Sara, sua mulher, era sua irmã; Jacó roubou o irmão e, achando pouco, enganou o pai que estava cego; Sansão, o juiz de Israel, se enrabichou por uma meretriz que lhe roubou, não só o coração, mas também a vida; Gideão era covarde; Eli não soube criar os filhos; Saul vivia remoído pela inveja; Davi, depois de adulterar com a mulher de seu general, mandou traiçoeiramente matá-lo; Jó quis justificar-se diante de Deus como alguém inculpe; Jeremias sofria de baixa auto-estima e vivia amargurado; Elias, com medo de Jezebel, fugiu para o deserto, entrou numa caverna e deprimiu-se; Jonas torcia para que a cidade de Nínive fosse detonada. Não tenho dúvidas: pareciam homens de aço mas, no fundo, eram apenas heróis de barro!

Se sairmos do Velho Testamento e avançarmos pelo panteão de “ícones” do Novo a coisa não muda em nada. Tiago e João queriam dizimar com fogo a aldeia dos indefesos samaritanos; Judas, frustrado com o Senhor, vendeu-o por 30 moedas de prata e suicidou-se; Pedro, na hora do aperto, negou a Jesus, mesmo dizendo que por Ele morreria e Tomé, para completar o grupo dos “maravilhosos” discípulos de Cristo, duvidou de Sua ressurreição.

Para não ser cansativo, abreviei a lista dos “notáveis”... Deixei de fora, contudo, um homem que sempre me chamou a atenção na sua fraqueza: Paulo. Sim, o grande apóstolo, ao final de seus dias era apenas “Paulo, o velho”.

Lendo suas epístolas você verá que o ímpeto e o arrojo dos primeiros dias já não existiam no final. Saulo de Tarso, que sempre fora voluntarioso e prepotente, agora vivia em fraqueza. Sim, estou falando de Paulo, eu sei, com todas as cores que lhe são inerentes, com seus acertos e erros, com suas virtudes e defeitos. Um herói de aço frágil como o barro!

O “apóstolo dos gentios”, preso numa cela fria, privado do convívio da igreja, longe daqueles a quem amava, era apenas um vaso de barro, quebrado pela dureza dos dias, moído pela longevidade do tempo. O homem que parecia ser incansável nos seus propósitos, por fim, sentiu-se só. Afirmou: “todos me abandonaram”. Estava cansado, abatido, talvez com medo. Sentia-se, quem sabe, como um “sapato velho”, que ainda podia ser útil se fosse "calçado", mas, aquela altura, quem o desejaria "calçar"?

“A Igreja é o único exército que mata os seus feridos”. Caio Fábio. Os fracassos dos homens e mulheres de Deus não os desqualificam nem os tornam menores, pelo contrário, para mim, eles crescem ainda mais, sobretudo porque se tornam humanos, seres de barro, não de aço!

Por isso, continue seguindo, não deixe de lutar, “pelas armas da justiça, quer ofensivas, quer defensivas; por honra e por desonra, por infâmia e por boa fama, como enganadores e sendo verdadeiros; como desconhecidos e, entretanto, bem conhecidos; como se estivéssemos morrendo e, contudo, eis que vivemos; como castigados, porém não mortos; entristecidos, mas sempre alegres; pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo”.

Por que escrevi isto hoje? Não sei... Talvez porque esteja cansado, desiludido, e me sentindo só... A semana que passou foi muito difícil e toda segunda feira, diferentemente do que você talvez imagine, eu penso em parar. Sei que não sou um herói da fé. Talvez jamais seja. Não tenho estirpe para ser alçado a este platô. Mas, para um pequeníssimo grupo de irmãos e irmãs eu sou pastor. Sei que eles me amam e que esperam de mim uma postura compatível com o “cargo”. Mas sei também que, não raras vezes, não sou, nem de longe, o que eles precisariam que eu fosse. Não dá! Não consigo! Cansei de tentar ser de aço. No fundo, gostaria apenas de ser de barro, pois barro gente, se quebra mesmo...

Carlos Moreira é culpado por tudo o que escreve. Já tentou ser herói, desistiu por constatar sua incompetência para a tarefa. Ele escreve aqui no Genizah e também na Nova Cristandade

"Todo Mundo Quer ir Para o Céu, Mas Ninguém Quer Morrer"


Carlos Moreira

O problema de vocês ocidentais cristãos é que vocês têm milhões de jovens querendo viver... Nós, ao contrário, temos milhões de jovens querendo morrer!”. Osama Bin Laden.

Inicialmente fiquei chocado com a frase, pois, a primeira vista, ela não me fez muito sentido. Ao depois, entretanto, quando minhas categorias político-filosóficas-religiosas entraram em ação, aí sim, compreendi o que o famoso terrorista da rede Al Qaeda quis dizer.

O fundamentalismo religioso não é regalia dos Mulçumanos. Pelo contrário, quem conhece um pouco mais a fundo a Religião Islâmica sabe que a proposta é totalmente diferente do estigma criado, sobretudo depois do 11 de setembro de 2001, com os ataques as Torres do World Trade Center. 

Deixemos os idealismos de lado... Fundamentalismo existe em qualquer religião. Entre os evangélicos, então, o que dizer? Quer mais ortodoxia e aberrações do que temos em nossas “denominações”? Quer mais manipulação e catarse emocional do que em certos “cultos”. Quer mais espoliação e pressão psicológica na pregação de determinadas “doutrinas”? Ora, quem não conhece “o jogo” é que fica de tolo, mas a gente já está nisto há muito tempo para ser ludibriado...

A frase do Osama choca-nos não porque saibamos que há um exército de meninos e meninas sendo treinados para fins perversos, que não consegue discernir o tamanho da maldade da qual eles se tornaram vítimas, pois tiveram suas consciências cauterizadas pela “palavra” e pela subversão da “religião”. O que surpreende é o desejo dessa gente de sacrificar a própria vida em função de algo no qual eles crêem, de imaginar estar sendo usado para cumprir um propósito divino, agradar a “deus”, ser  a "vara de seu juízo" na Terra.

Nietzsche disse certa vez “no ocidente não há ninguém mais disposto a morrer, seja por um deus, pela pátria ou pela família”. De fato, ele estava mais do que certo. Nós somos a sociedade dos que querem apenas ganhar, jamais perder, muito menos a vida! A saudosa banda Blitz, sucesso da década de 1980, dizia em sua canção: “todo mundo quer ir pro céu mais ninguém quer morrer”.

porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro... E já não sei o que escolher!... desejo partir e estar com Cristo, o que é muito melhor; contudo, é mais necessário, por causa de vocês, que eu permaneça no corpo... para o seu progresso e alegria na fé". Fp. 1:21-25

Na perspectiva do cristianismo, morrer é um prêmio, uma coroa, a consagração de uma vida, mas morrer está relacionado a nascer, não a extinguir-se, é a partida que nos leva a encontrar o propósito para o qual fomos criados. Quem morre deixa o não-ser para tornar-se ser de fato.

Mas Paulo, que desejava ardentemente morrer, pois queria estar com Jesus, entende que viver tem um propósito: edificar e ensinar a outros, abençoá-los, servi-los, amá-los, doar-se para que eles possam encontrar o significado de existir. Assim é o Evangelho. A vida do discípulo só ganha singularidade quando se desdobra na direção do outro, quando o próximo torna-se mais importante que sua própria vida, pois sacrificar sonhos e planos em prol de alguém é prazer e privilégio.

Bin Laden está recrutando jovens para morrer. É triste, mas fato. E nós? Quantos jovens temos dispostos a morrer pela causa do Reino de Deus? Não estou falando em se amarrar a toneladas de dinamites ou de detonar um carro em frente ao um mercado público. Estou falando em entender que a fé cristã deveria nos levar a buscar da vida mais do que sucesso profissional, dinheiro no bolso, alegria, festa, riso, namoros e curtição. Nossos jovens não têm referências. Bem disse Cazuza: “meus heróis morreram de overdose”.  

Tenho pena dos jovens de hoje... Rebeldes sem causa, mesmo... São, em sua grande maioria, alienados, fúteis, frívolos, superficiais, dessignificados, vazios, insensatos, desafeiçoados, insensíveis, desencontrados de si mesmos. Mas com tristeza, admito: eles tiveram a quem puxar; tiveram excelentes fontes de referência para ser o que são: nós. Eu e você...

Carlos Moreira não e mais jovem, mas está preocupado com os rumos da igreja nesta área. Ele escreve aqui no Genizah e também na Nova Cristandade.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

ImBBBecilidades em horário nobre



Por Clóvis Cabalau

Que o BBB é uma escória da TV Brasileira, muitos com o mínimo de massa encefálica ativa hão de concordar. E nada que venha da tal casa dos brothers me causa espanto. Embora não seja telespectador do nefasto reality global, acabo sabendo, via globo.com (um dos sites que visito diariamente), de algumas peripécias dos “geniais” participantes da edição atual do programa. Recentemente, uma novidade foi um alardeado primeiro beijo lésbico da história do BBB. Ohhhh! Que grande feito!!!!

A fim de comentar o episódio, arrisquei-me a ler o texto com a “fantástica” notícia. Descobri, então, que o beijo “revolucionário” foi entre as participantes Diana e Michelly, não sei bem em que situação, porque não tive estômago para ler a reportagem até o fim. Mas li o suficiente para deparar-me com a “brilhante” declaração que a tal Diana teria dito antes de entrar na casa: “Eu não chego em mulher, elas é que chegam em mim”, afirmou a “filósofa” big sister. Em seguida, arrematou com esta pérola: “As mulheres que eu mais fico são ‘heterossexuais’. Não existe mais mulher hétero, todas são curiosas”.

Vê-se o nível da coisa. Quer dizer que, segunda a beijoqueira Diana, todas as mulheres desse mundo são, no mínimo, bi-sexuais, já que as hétero estão extintas. São “reflexões” desse tipo que os milhões de espectadores do BBB consomem todos os dias – além de partes íntimas à mostra e muita, mas muita mesmo, baboseira pronunciada pelos “heróis” do Pedro Bial.

É sabido que a função do Big Brother não é apenas divertir, como tentam justificar alguns fãs de ocasião. A conversa é bem mais embaixo: paira por interesses comerciais explícitos, pela relativização de valores sociais, da banalização da imoralidade. Tudo feito no mais alto padrão global, com direito a câmeras estrategicamente posicionadas, a fim de flagrar posições e situações eróticas, para alegria dos manés de plantão (os mesmo que gastam seu dinheiro votando em seus brothers prediletos, compram a playboy com as eliminadas mais bem dotadas e visitam o site do Paparasi, para ver em detalhes o que as câmeras da casa só mostraram rapidamente).

Antes que alguém venha me acusar de homofobia ou coisa do tipo, adianto-me a rebater, pois qualquer homossexual, transexual ou simpatizante de bom-senso saberia que o tal beijo lésbico do BBB é tão pré-fabricado quanto as celebridades descartáveis que vivem seus minutos de fama no programa. Acreditar que as beijoqueiras do Big Brother estão levantando uma bandeira contra o preconceito é, no mínimo, ridicularizar a discussão sobre o tema. O que estão em jogo, além, claro, de um pomposo prêmio em dinheiro para o(a) vencedor(a), são os dividendos que a polêmica pode render fora da casa. Gente, o óbvio é ululante: BBB é negócio, grana, muita grana às custas da imbecilidade de nós, brasileiros.

Voltando à “brilhante” constatação da tal Diana (a extinção das mulheres hétero), penso que a moça tenha chegado a essa conclusão motivada pela mesma idéia que levou o cartunista e cross-drassing Glauco a afirmar que as diferenças entre homens e mulheres são um dogma da sociedade. Ou seja, fruto de uma conveniência pessoal, baseada num ponto-de-vista e numa escolha, nos quais, logicamente, não cabem generalizações.

Mas, não me iludo (e nem almejo) em achar que todos vão concordar com meu ponto de vista. Afinal, que mal há em assistir ao BBB de vez em quando? - argumentariam alguns. Tudo bem, há gosto para tudo e gosto não se discute. Aliás, mais uma vez o óbvio ulula: lixos como o BBB existem porque o ser humano tem preguiça de pensar. Fazer o quê?


***
Clóvis Cabalau é pastor, jornalista, e colunista no Púlpito Cristão

Não existe arte profana!



Hermes C. Fernandes

"Entre as graças que devemos à bondade de Deus, uma das maiores é a música. A música é tal qual como a recebemos: numa alma pura, qualquer música suscita sentimentos de pureza." Miguel de Unamo
Todas coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os corrompidos e descrentes. Antes a sua mente como a sua consciência estão contaminadas.” Paulo em sua carta a Tito cap. 1, verso 15
Haveria algum idioma que pudesse ser considerado sagrado? Alguns talvez achem que sim. Há até quem pense que a língua falada no céu seja o hebraico, e que esta seria o idoma original dos homens, antes de Babel.
Recentemente, fui indagado acerca da logomarca de nossa igreja (Uma cruz estilizada que lembra uma estrela, com o que parece uma letra “x” no meio dela). Ao explicar que aquela letra “x” era na verdade a primeira letra grega do nome “Cristo” (Christus), houve quem alegasse que o grego e o latim seriam os idiomas prediletos do satanismo.
Ora, já ouvi tanta asneira nesta vida, mas esta superou a muitas delas. Então, teremos que concluir que o Novo Testamento foi todo escrito em língua satânica e que Paulo pregava no idioma dos demônios!
Um argumento como este revela o quão criativo é o gênio humano, tanto para o bem, quanto para o mal.
Haveria em nosso alfabeto alguma letra maligna? Claro que não! Mas é possível usar as letras de nosso alfabeto para escrever qualquer coisa, desde louvores a Deus até insultos e obcenidades. Porém isso, não torna aquelas letras profanas.
Assim se dá com a música, por exemplo. Quem criou as notas musicais? Não foi o diabo, ou foi? E quanto aos ritmos diversos, teriam sido criados ou inspirados por ele? Recuso-me a crer neste absurdo.
Não há música profana! O que há são músicas profanadas. Usar a música para estimular sentimentos perversos no coração humano é profanar uma das mais sagradas artes.
Harmonia, melodia e ritmo podem ser igualmente usados para o bem ou para o mal. Assimo como posso usar uma faca tanto pra fatiar um pão quanto pra ferir alguém. Isso não faz da faca um instrumento satânico, ou faz?
O que é uma canção senão a combinação de harmonia, melodia e ritmo? Nenhum destes elementos pode ser considerado profano em sua origem. O que se pode é profaná-los, dando-lhes um propósito maligno.
Não posso satanizar um frango só porque alguém o oferece numa encruzilhada a espíritos imundos. Não vou deixar de degustar um saboroso frango assado por isso.
Posso usar todo o espectro de cores para pintar uma obra que insulte os valores cristãos, como posso usar o mesmo pincel para criar obras que os enalteçam.
Mesmo uma obra considerada “profana” pode ser apreciada de outros ângulos. Em vez de condená-la, podemos buscar entender a intenção de seu autor, e a maneira como ele tenta expressar o que há em sua alma. Há anseios, frustrações, anelos profundos, amarguras, questionamentos, inquietudes, que nem sempre são verbalizados claramente, mas que vazam através de sua produção cultural.
Em vez de ficar ouvindo discos de trás pra frente em busca de mensagens subliminares, deveríamos ouvi-los com o coração tomado de compaixão, buscando compreender o que de fato essas almas humanas tentam comunicar nas entrelinhas de sua arte.
O que foi profanado pode ter sua sacralidade primordial resgatada. Alguns avivalistas e reformadores perceberam isso nos séculos passados. Charles Wesley, o maior compositor cristão de todos os tempos, tomava emprestado melodias usadas nos cabarés da Inglaterra, e as transformava em louvores a Deus. Aliás, muitos dos hinos da Harpa Cristã e do Cantor Cristão tiveram origem “profana”.
Ademais, devemos considerar a graça comum, que como chuva derramada sobre justos e injustos, é capaz de inspirar o mais vil dentre os homens a produzir coisas belas, dignas de apreciação e aplauso.
A vida enxergada do prisma da graça é muito mais leve, solta e vibrante. Sem neuroses, fanatismo infundado, mania de conspiração, e outras bizarrices.
Sinto-me inteiramente à vontade para apreciar as linhas harmoniosas de uma obra arquitetônica de Niemeyer, e ainda louvar a Deus por sua genialidade, mesmo sabendo que ele é ateu.
Prefiro embasbacar-me contemplando o interior da Capela Sistina, a ficar buscando na obra de Michelângelo algum indício de que ele pertencesse a uma sociedade secreta qualquer.
Jamais me preocupei em ser flagrado ouvindo uma boa música secular, nem em ter que dar explicação aos que me censurem por isso.
Posso apreciar uma escultura do ponto de vista artístico, sem por isso comprometer a pureza de minha fé, nem endossar a idolatria que se preste a ela.
Não sou menos espiritual por dar umas boas gargalhadas enquanto assisto a uma comédia.
Deixo-me emocionar enquanto assisto a uma apresentação de ballet ou a uma peça teatral, ou mesmo a um concerto de música pop, sem qualquer constrangimento ou culpa, por reconhecer que a fonte primeva de toda beleza é Deus.
Afinal de contas, “d’Ele e por Ele e para Ele são todas as coisas. Glória, pois, a Ele eternamente. Amém” (Rm.11:36).

Hermes Fernandes é também culpado do que se faz aqui no Genizah

10 sintomas de lobismo eclesiástico


Por Franklin Rosa
Os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja: e que fareis no fim disto? Jeremias cap. 5 vs. 31

Aos críticos gratuitos da crítica analítica, devo-lhes dizer uma coisa: É simplismo e superficialidade dizer que não devemos julgar (criticar e apontar desvios de caráter e conduta). Se assim fosse, estaria anulado todo ministério dos profetas, juízes, apóstolos e do próprio Senhor Jesus que vieram com o dedo em riste denunciando as falcatruas da religião.

“LOBISMO”, foi a terminologia que adaptei, para caracterizar os “LOBOS”, ministros (servos e escravos, nada mais que isso), que perderam a visão de “despenseiros” do Reino, tornando-se mercenários da fé.

Assim como no post anterior “7 dicas para manipular uma Igreja”, essa catalogação é fruto de anos de observação e indignação com aquilo que chamam de “ministério” no meio evangélico.

“Ministérios” esses que na sua grande maioria, são resultado da necessidade de auto-afirmação ou, na sua face mais vil, mercenarismo puro.

Essas evidências identificam aqueles que perderam a paixão voluntária pelo ministério e tornaram-se profissionais frios e calculistas de um cargo eclesiástico em benefício de si mesmo.

Qualquer semelhança aqui exposta não é mera coincidência, são constatações factuais.


1º Gostam de poder, mas estranhamente se recusam a servir. Como amam falar em línguas estranhas, profetizar, revelar e demais peculiaridades do gênero (obs. Eu creio na contemporaneidade dos dons sobrenaturais). Mas tudo isso é canalizado para a promoção pessoal, pois não mostram o mesmo empenho na hora de dar atenção ao ser humano que precisa de um ombro humano para dividir suas mazelas.

2º Valorizam programações, mas menosprezam relacionamentos. Participam de todos os congressos, campanhas e eventos que lhe rendam marketing, mas não gostam de relacionamentos interpessoais com medo de ficarem vulneráveis e serem descobertos, ou por receio de tornarem-se meros mortais desgastando a auto-imagem. Encaram a Igreja como platéia e o culto como um show onde a performance tem de sobressair.

3º Gostam de entradas triunfais, mas a saída tem de ser à francesa. Entram com a reunião começada e saem com ela terminada. São espalhafatosos em sua apresentação pública, mas a saída tem que ser de “fininho” para não correrem o risco de atender alguém. Gostam de provocar expectativa em seus ouvintes para manter vivo o “mito” (valorização do mensageiro em detrimento da mensagem).

4º Esbanjam muito carisma, mas na mesma proporção lhes falta caráter. São de fácil comunicação e apresentação em público, mas é nos bastidores da vida onde cai a máscara e é revelado a podridão do ser. Casamentos e famílias falidas, vida financeira desregrada, politicagem eclesiática e secular à base de troca de favores, são só alguns exemplos da desfaçatez de valores éticos desses personagens.

5º Idolatram títulos eclesiásticos, não admitem serem chamados pelo nome. Sim senhor, não senhor, apóstolo, bispo, pastor, reverendo é essencial se quiser manter um bom relacionamento com “Sua Santidade”, caso contrário ficará relegado à indiferença ou serás responsável por um surto de crise de identidade na celebridade gospel.

6º Nas assembléias disputam os primeiros assentos, manter a pose é prioridade. Não lhe tome o assento de honra. Ele é capaz de te expor, envergonhar, difamar e até brigar em público para sair bem na foto.

7º Suas mensagens são sempre bombásticas, holofotes voltados pra si é questão de sobrevivência. A prédica deles mais se parece com produção “hollywoodyana”. Matrix, Jornada nas estrelas, Ghost, parecem produções de fundo de quintal perto de suas apresentações espetaculares. Não conseguem trafegar no normal (ordinário), somente no bombástico (extra-ordinário) que cause admiração (frenesi) nos seus espectadores.

8º Fazem de tudo para serem solicitados, mas o cachê tem de ser pré-combinado e pré-depositado. Aqui, vale até propaganda em rádio pirata. Tudo para a divulgação do “EUVANGELHO”. Mas nem pense em recolher uma oferta voluntária após a reunião, que você está fadado a ficar na mão.

9º Em suas preleções não faltam trilha musical, manipular emoções é fundamental. Histeria é alvo inegociável. Trilha sonora “Home Theater” manipulada por um sonoplasta com aumento de volume nas frases de efeito e diminuição nos momentos de comoção, fazem parte do show. Proporcionar uma reunião narcotizante, que mexa com as emoções, e tire o povo da realidade diminuindo a capacidade de raciocinar nem que seja por algumas horas, é sua especialidade.

10° Mostrtam zelo excessivo com as ovelhas gordas, descaso total com as ovelhas magras. Preocupam-se com o sofrimento dos irmãozinhos “empresários” que não tem quem lhes defenda, mas os irmãos mais pobres que já são experimentados na fé, esses se viram sozinhos. Como diria o “Justo Veríssimo”, personagem do Chico Anísio: “Eu quero que pobre se exploda!”.


A lista é sucinta para dar a oportunidade de interação àqueles que já observaram tais desvios e sintomas e querem colaborar com as constatações para ampliarmos as informações no combate a essa doença crônica...


***
Franklin Rosa, cansado dos lobistas dentro da igreja, rasgando o verbo no Púlpito Cristão. Conheça o blog do autor

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Festa RAVE gospel



Em nome da contextualização e da necessidade de se modernizar a propagação da Palavra de Deus, tem sido comum por parte de alguns pastores e líderes evangélicos a utilização de estratégias diferenciadas na “evangelização”.
 
A cada instante, movidos por poderosas revelações, novas e mirabolantes estratégias tem sido criadas na expectativa de arrebanhar para os apriscos da fé, um número cada vez mais significativo de jovens. E é pensando assim que eventos dos mais estranhos possíveis têm sido criados por parte da liderança evangélica neste país, como por exemplo, o aparecimento de boates e discotecas gospel. Aliás, você já reparou que nós evangélicos temos a facilidade de transformar tudo em gospel? Para tais pastores, boates e discotecas tornaram-se “álibis” indispensáveis para se pregar “as boas novas” de Cristo Jesus. Na verdade, neste Brasil tupiniquim, cada vez mais em nome de uma liberdade cristã, os jovens abandonam a palavra e o discipulado bíblico em detrimento às festas e eventos que celebram efusivamente o hedonismo exacerbado de um tempo pós-moderno.

Para piorar as coisas, tais evangélicos criaram a RAVE GOSPEL. Confesso que fico estupefato com a capacidade evangélica de elucubrar sandices. Sem sombra de dúvidas isso é O FIM DA PICADA. Ouso afirmar que do jeito que a coisa anda daqui a pouco teremos um tipo de ecstasy gospel.

Prezados, confesso que estou absolutamente perplexo e preocupado com os rumos da igreja evangélica brasileira. Isto porque, em detrimento do “novo” têm-se optado por um caminho onde se negocia o que não se pode negociar. Cadê o compromisso com a Santa Palavra de Deus? Onde está o imperioso desejo de se fazer à vontade do Senhor em todos os momentos da vida? Por que será que temos coxeado entre dois pensamentos?

Pois é, isto posto, chego a conclusão que mais do que nunca a igreja evangélica brasileira precisa de uma nova reforma.

Com lágrimas nos olhos,

Renato Vargens

O Diabo vai ao Analista


Carlos Moreira

Todos nós possuímos certos mecanismos que, em psicologia, chamam-se mecanismos de defesa.  Eles têm por finalidade reduzir manifestações que podem colocar em perigo a integridade do “ego” – uma instância da personalidade definida como o nosso eu mais perceptível.

Quando o indivíduo não consegue lidar com determinadas situações, entra em ação estes mecanismos de defesa, processos subconscientes ou mesmo inconscientes que acabam permitindo a mente encontrar uma solução para o conflito que não pôde ser resolvido no nível da consciência.

Esses mecanismos de defesa têm por base a angústia. Quanto mais angústia, mas fortemente atuam. Freud estudou bastante este tema e nos revelou que um dos mais importantes destes mecanismos é a “Projeção”. Trata-se da transferência de atributos pessoais de determinado indivíduo – pensamentos inaceitáveis ou indesejados, por exemplo – a outra pessoa.

O filósofo Ludwig Feuerbach, estabeleceu paralelos entre sua teoria da religião com a idéia de projeção psicológica, e escreveu como uma de suas conclusões que, “a concepção de uma divindade antropomórfica, trata, na verdade, de uma projeção dos medos e ansiedades dos homens”. Foi dentro deste contexto que escreveu uma de suas frases mais famosas: “Deus foi criado à imagem e semelhança do homem”.

Posto isto, base mínimia para as argumentações que se seguem, quero especular sobre um fenômeno que, como pastor, tenho presenciado sistematicamente na “escuta terapêutica”: a atribuição ou transferência de culpa de atitudes das pessoas para a figura do “diabo”.

Em nossos dias, o “diabo” é o grande culpado por boa parte dos problemas que enfrentamos e este “fenômeno”, pasmem, carrega em si até certo grau de espiritualidade, pois, afinal de contas, o sujeito está sendo “atacado por “satanás”! Como já citei em outros textos, o diabo na “igreja” é criatura das mais conhecidas e reverenciadas. Não raro, é tratado com status de ator Hollywoodiano, pop star gospel, chega a dividir com Deus boa parte das citações em um sermão.   

Só que, até hoje, ninguém nunca havia avaliado os supostos “estragos” que eventuais acusações e transferências causaram na “alma” do “tinhoso”. De tanto ser culpado por coisas que jamais realizou, atos que não cometeu e situações das quais não participou, o diabo começou a desenvolver certas deformidades comportamentais. No começo era apenas um leve sentimento de culpa, mas a coisa se aprofundou e começou a virar disfunção de auto-imagem. Em seguida, baixa auto-estima, depressão e, por fim, síndrome do pânico!

Apavorado com a situação e, de forma recorrente sendo acusado pelos “crentes” como culpado de tudo que lhes sobrevém, o diabo resolveu, como recurso último, já num grau de desespero extremo, ir ao analista. O trecho abaixo é parte da anamnese realizada pelo psicanalista no primeiro contato que teve com o “rabudo”.

- (Terapeuta) Vamos lá, deixe essa timidez de lado, pode falar. O que lhe incomoda?

-
(diabo) Doutor eu estou me sentindo muito mal... sinto ânsia de vômito, sudorese,  taquicardia e, as vezes, pânico!

-
(Terapeuta) Sei, mas ao que você atribui tais sintomas?

-
(diabo) Bem, doutor, eu estou carregando um fardo muito pesado. Os “crentes” colocam a culpa em mim por tudo o  que lhes acontece. Isso tem gerado um constante estado de angústia. O Sr. tem idéia do que é ser acusado por algo que, em absoluto, realizou?

-
(Terapeuta) Não. Dê-me um exemplo para que eu possa entender melhor?

-
(diabo) O cara é um safado; vive no trambique... nota fria, caixa dois e tudo mais. Um dia chega à fiscalização e o cretino afirma: “isso é coisa do diabo!”. O sujeito não ora, não lê a bíblia e aí diz que sua falta de disciplina é “coisa do diabo!”. Ele não cria os filhos com valores, com princípios, em casa é o pior exemplo possível, e quanto eles se desencaminham na vida, assevera: “isso é coisa do diabo”!

-
(Terapeuta) Realmente, isso é algo muito sério...

-
(diabo) É doutor, mas não fica só nisso não... Veja só: o sujeito toma uma decisão sem   pensar, irrefletidamente, e o que ele diz quando bate com a cara na parede: “isso é coisa do   diabo”! Se tem um temperamento descontrolado, iracundo, provocador, toda vez que se   desentende com alguém conclui: “isso é coisa do diabo”! Quando se endivida, desorganiza-se financeiramente por não conseguir segurar o cartão na carteira, diz que está “quebrado”   porque deu uma “brecha para o diabo!”.

-
(Terapeuta) Cidadão, a situação é complicada.

-
(diabo) E tem mais doutor... O cara vem cheio de paranóias, uma família pra lá de louca,   alma desestruturada, traumas, medos, e diz que a “doideira” dele é "coisa do diabo".   Imagina?! O sujeito é mal amado, mal resolvido, carente, paranóico, e tudo é “coisa do   diabo!”. Se o cara mergulha no vício, o que eu ouço? “Isso é coisa do diabo”. Se vive na   mentira, diz que o responsável sou eu, afinal, eu sou o “pai da mentira”! A desgraça torna-se   ainda maior porque eu não ganho nada com isso! Falam o tempo todo no meu nome, mas,   “crédito” que é bom, nada! Assim não tem quem agüente!

-
(Terapeuta) Bem meu “amigo”, seu tempo, infelizmente, acabou. Como disse, estou achando   que você está muito ansioso. Vou ter de lhe receitar um ansiolítico!

-
(diabo) Para que serve?

-
(Terapeuta) Para controlar a sua ansiedade.

-
(diabo) Você está louco! Eu vivo de gerar ansiedade nos outros e você quer tirar a minha?   Doutor creia-me, estou com muito medo de não ter mais nada o que fazer contra a existência   humana.

-
(Terapeuta) Mas seu diabo, como é que o senhor ganha à vida?

-
(diabo) Bem, eu vivo de gerar medo, culpa, angústia e ansiedade nas pessoas. Eu mato os   seus sonhos, roubo suas sensações, destruo suas almas. Na verdade, sou um grande   “coreógrafo”. Crio cenários para as pessoas atuarem na “peça”, mas elas é que fazem as   escolhas e desempenham os “papéis”.

A seção termina... O analista diz: “bem, vá até a farmácia, compre o medicamente, e me ligue! Vamos avançando no tratamento...”.  O diabo se despede, sai cabisbaixo, arrastando o rabo, deprimido, e dirige-se a drogaria mais próxima. Aí toca o telefone da secretária. O doutor diz: “manda entrar o próximo”, e entra o outro paciente... É um “crente”. O doutor pergunta:

- (Terapeuta) Bem, meu amigo, qual é o seu problema?

-
(“Crente”) Doutor, estou meio sem jeito.... É que eu dei uma “brecha” sabe, uma escapadela;   traí minha mulher.

-
(Terapeuta) E quando foi isso?

-
(“Crente”) Ah doutor, tem sido algo constante. Antes de vir para cá, por exemplo, aconteceu. 

-
(Terapeuta) Mais meu amigo, o que você acha que está acontecendo na sua vida afetiva?

-
(“Crente”) Não sei doutor, tenho pensado muito sobre esse assunto... e foi assim   que cheguei à uma conclusão: “isso é coisa do diabo”!

Aí o analista exaltado levanta-se da cadeira, faz cara feia e esbraveja: “deixe de ser safado! Que diabo coisa nenhuma! O diabo acabou de sair daqui ainda agora, deprimido, mais pra baixo do que rabo de elefante, e você me vêm com este papo da carochinha! Tome vergonha na sua cara e assuma a responsabilidade por seus atos...”.

É amigos, como disse Stendhal: “Quem se desculpa, acusa-se”.

Quero deixar claro: creio que o diabo existe e que, segundo Jesus e o Evangelho, ele veio para “roubar, matar e destruir”. Creio que é o “acusador dos irmãos”, que precipitou-se do céu por querer ser igual a Deus, que subverte toda a beleza da criação e conspira contra o que é bom e faz o bem aos filhos de Deus. Creio que anda ao derredor como “leão que ruge”, louco para tragar algum incauto. Agora, dizer que tudo o que ocorre no meio “evangélico”, na vida de gente que não tem temor nem de Deus, quanto mais do diabo, é coisa do capeta, aí já é demais para mim! Diante disso, meu mano, só dá para pensar o seguinte: durma o diabo com um barulho desses...

Carlos Moreira é culpado por tudo o que escreve. Acredita que nossa luta é contra principados e potestades, mas acha ridículo a fantasmagoria na qual a "igreja" mergulhou. Outros textos seus podem ser lidos no Genizah e na Nova Cristandade.



Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/

Conheça a Igreja Apostólica do Reino da Berinjela em Pó


Por Hermes C. Fernandes


Semana passada minha esposa descobriu mais uma receita ‘milagrosa’ para emagrecer. Trata-se do pó da berinjela. Segundo um vídeo que assistimos no youtube, bastaria levar a berinjela ao forno, assá-la bem, deixando-a desitradar-se, e depois moê-la. Daí, é só misturar o pó da berinjela a qualquer suco e tomar esperando o milagre.

A pedido dela, fui ao supermercado comprar 1 kg. de berinjela. Não fiquei muito animado quando vi que o preço dela aqui nos Estados Unidos é bem maior que no Brasil. Mas tudo bem. Pelo menos me ajudaria a livrar-me de alguns centímetros de barriga.

Fizemos tudo como pesquisamos na internet. Misturamos o pó ao suco de uva e tomamos. Já faz mais de uma semana, e ainda aguardamos o tal milagre.

Resolvi pesquisar um pouco mais e deparei-me com a razão pela qual a berinjela parecia não fazer muito efeito para nós.

Além do tal pó, o candidato ao emagrecimento deve seguir uma rigorosa dieta e fazer exercícios e caminhadas diários.

Êpa! Peraí… quer dizer que eu tenho que caminhar trinta minutos todos os dias, deixar de comer as iguarias que tanto aprecio, freqüentar uma academia, e no fim… é a berinjela que recebe as glórias?

E que tal se eu fizer todas essas coisas, sem precisar ter o trabalhão de moer berinjela? Será que eu não terei os mesmos resultados?

Pois da primeira vez que emagreci, perdi trinta quilos sem precisar recorrer a qualquer fórmula mágica. Apenas caminhando, fazendo ergométrica e comendo menos.

Onde é que quero chegar com esta analogia? (não sei se todos perceberam, mas é uma analogia tirada da vida real).

Ontem postei um artigo falando dos ministérios enganadores que seguem prosperando, sem que isso signifique que tenham a aprovação divina.

Logo recebi o comentário de alguém achando que eu estava me referindo a uma determinada denominação. Postando como anônimo, defendeu sua igreja declarando que foi lá que teve sua vida transformada, foi curado, alcançou prosperidade, tal e coisa, coisa e tal… Muita gente parte do mesmo raciocínio. Ora, se tem tanta gente sendo beneficiada, então, deve ser de Deus, e não pode ser criticada. Se está sempre lotada, é porque Deus aprovou. Será?

E se tais igrejas não passarem de “pó de berinjela”?  A pessoa que lá chega, deposita sua fé em Deus, busca, ora, e eventualmente é alcançada, mas em vez de reconhecer em Cristo a fonte única das bênçãos, prefere creditá-las à tal igreja, à ‘fogueira santa’, ou ao bispo, pastor ou apóstolo.

Desde os tempos apostólicos, já havia quem pregasse a Cristo com motivações excusas. Nem mesmo Jesus os coibiu, e ainda impediu Seus discípulos que o fizesse (Mc.9:38-40). Paulo chega a dizer que não se importava, desde que Cristo fosse anunciado (Fp.1:15-18). Porém, isso não significa que Jesus ou Paulo estivessem endossando a pregação de tais homens. Em vez disso, Paulo nos admoesta a quem não recebamos quem quer que pregue um evangelho que vá além do genuíno (Gl.1:6-9). E mais: se abraçamos outro evangelho, consequentemente recebemos ‘outro espírito’ (2 Co.11:4). E é aí que mora o perigo. Muita gente tem recebido outro espírito, achando tratar-se do Espírito Santo de Deus. Será por isso que em algumas igrejas, pessoas recebem supostamente o Espírito Santo na quarta-feira, e quando chegam na tal “sessão do descarrego”, manifestam demônios?

Não duvido que nesses ambientes haja pessoas sinceras, e que têm sido alvo das misericórdias de Deus. Porém, os créditos por qualquer benefício deve ser dado ao Senhor. As Escrituras são enfáticas em dizer que Ele não divide Sua glória com ninguém.

A prova bíblica de que sinais miraculosos nem sempre significam aprovação divina pode ser encontrada em Isaías 29:13-16. Leia atentamente:
“Diz o Senhor: Este povo se aproxima de mim com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim. O seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em coisa aprendida por rotina. Portanto, continuarei a fazer uma obra maravilhosa no meio deste povo, uma obra maravilhosa e um assombro; a sabedoria dos seus sábios perecerá, e o entendimento dos seus prudentes se esconderá. Ai dos que profundamente escondem do Senhor o seu propósito, e fazem as suas obras às escruas, e dizem: Quem nos vê? E quem nos conhece? Vós a tudo perverteis! Como se o oleiro fosse igual ao barro, e a obra dissesse do seu artífice: Ele não me fez; e o vaso formado dissesse do seu oleiro: Nada sabe.”
Confesso que não me impressiono com sinais externos, do tipo, curas, exorcismo, prosperidade. Acredito que o próprio diabo posa promover tais sinais com a intenção de manter as pessoas cativas no erro. Mas quando me deparo com o milagre da conversão, cálo-me reverentemente. Só Deus é capaz de transformar o caráter de alguém. E sinceramente, creio que haja gente realmente convertida em qualquer lugar onde o nome de Jesus seja professado. Este é o maior de todos os milagres. Porém, não deve ser creditado à instituição, mas exclusivamente a Cristo.

Pessoas realmente convertidas não conseguem ficar muito tempo onde o que tem sido pregado não corresponda ao testemunho do Espírito Santo em seu coração. E Este, por Sua vez, testifica acerca da Verdade do Evangelho, e não das convenções e doutrinas humanas.

Chega o momento em que só resta ao convertido uma opção: sair em busca de pastos verdadeiramente verdejantes; romper com o sistema eclesiástico do qual tornou-se prisioneiro, e encontrar um lugar saudável onde possa congregar livremente.

Quem quiser contentar-se com o “pó de berinjela”, sinta-se à vontade.


Hermes Fernandes é agente sabotador do império das trevas e conspirador do Reino de Deus. Colabora com o Genizah

O cão, a padaria e a música gospel.


Há pouco soube de uma história no mínimo intrigante: Um colega de ministério foi convidado para pregar numa proeminente igreja. Ao chegar ao local do culto, foi convidado por um dos pastores a conhecer a mais nova aquisição do povo de Deus: uma padaria completa! Ele olhou aquilo e pensou com seus botões: Que legal! Esses irmãos montaram uma padaria para saciar a fome das pessoas! No entanto, o que ele não podia imaginar era que o real motivo de se montar à padaria era outro.
Na ocasião o pastor anfitrião falou todo orgulhoso: "Agora até a nossa ceia é sem contaminação dos ímpios! Nós produzimos os pães que são distribuídos na ceia! Não tem mão de ímpios na produção do pão!” O pastor ouvindo isso disse: “Vocês gastaram dinheiro montando uma padaria por este motivo”? Não é para abrandar a fome dos famintos? Não é para tentar mudar o futuro de tantos jovens que precisam de uma profissão? Não daria para fazer desta padaria uma oficina de padeiros?
Caro leitor, me assusta o fato em perceber que parte da Igreja de Cristo continua tratando a vida de forma dualista. Ora, aquela igreja considerava os pães confeccionados por padeiros não cristãos como profanos. No entanto, segundo a sua visão, se um crente confeccionasse os pães, estes seriam santos. Ora, é exatamente isso que alguns tem feito com a música, se os autores forem crentes, Deus está no negócio, caso contrário, o cramulhão é o culpado.
Para eles era muito mais importante confeccionar “pães santos” do que alimentar os famintos que vivem a seu redor.
Pois é cara pálida, dias complicados os nossos! Como bem afirmou o André Reverbério é muito mais fácil colocar a culpa no cão!

Pense nisso!

Renato Vargens

Leviciados



O vício é um problema da atualidade que mais tem sido usado para destruir vidas e famílias inteiras.
Existem vícios de todos tipos, para todas as idades e de todas formas possíveis.


Semana passada, fiquei pasma com uma reportagem sobre uma nova droga que está atingindo os jovens. Seu nome é Droga Virtual.


Isso mesmo! Droga através da Internet. Onde pessoas baixam músicas que causam as mesmas sensações das drogas atuais.
Aparentemente inofensiva, ela chegou e está ganhado adeptos que, para se drogarem precisam apenas de um fone e alguns míseros dólares.
Pensando na música como droga, uma coisa me veio ao coração - Como as igreja estão cheias de músicos viciados! Falo dos Levitas ou "Leviciados" ( Músicos viciados em música).
Existe isso? Sim, estão dentro das igrejas. Verdadeiros viciados em música! Que quando tocam entram em transe: "Oh! como EU toco bem, como sou bom!".

Vamos ver alguns sintomas:

1)
Não consegue viver sem.

Um Leviciado diz:
Se alguém me tirar o meu ministério eu morro!" ou "Não consigo viver sem, é a minha vida".

2) Crise de abstinência

Um Leviciado sofre se:
Não gosto de ser disciplinado! Se me colocar no 'banco' eu saio da igreja" ou " Só vou ao evento se eu tocar (cantar), ao contrário, não participo de nada"
Seu lema é: "Eu preciso tocar. Desde que eu toque, nada mais importa"



3)
Nada os impedi de adquirir sua droga

O Leviciado ignora quando:

O Espírito Santo fala: "Ei, você não está apto para tocar hoje. Você se masturbou" ou " Você fornicou com seu namorado(a) e precisa se arrepender" e também " Você não está falando com aquele irmão, e por isso, a bênção do Senhor não pode vir sobre a igreja" e por fim" Você não pode ministrar porque é ladrão dos dízimos" etc.
Para os Leviciados seus pecados não lhe trazem mais peso. Em nome vicio passam por cima dos princípios básicos da palavra de Deus, perdendo assim a capacidade de identificar seus pecados que as vezes estão batendo na "cara" do povo que o está assistindo.
x x x

As vezes, os Leviciados são pessoas cheias de boa vontade, é por isso que, são na sua maioria tolerados pelos líderes. São encarados como pessoas que amam "Tocar(Cantar)" e vistos como alguém que não é tão crente, mas, tem boa intenção.

"Por mais que nossas motivações sejam certas, se o princípio é errado, o resultado será morte".
Coty, O Obreiro aprovado, pág 29

Boa vontade não é o suficiente para ser um bom levita da casa do Senhor. É preciso ter bons princípios. E um levita cheio de princípios, jamais terá a música como uma droga. E ainda que alguém o impeça de tocar, ele não morrerá, porque sua vida não depende da música e sim do Senhor, a verdadeira motivação.




Um abraço,

Fabi felix

Aqui mora um pecado feliz



O pecado precisa de um ambiente bem preparado para entrar em cena. Não é em qualquer lugar que ele pode dar as caras e morar. Ambientes são criados por nós. Nós os fazemos, os decoramos, os preparamos. Podemos fazê-los para acomodar as coisas boas que vem de Deus ou para acomodar as coisas más vindas da ação do pecado.


Davi preparou um grande ambiente para o pecado morar. No início da construção, da sacada de seu palácio, viu uma mulher desavisada, lindíssima tomando banho. Começou então na mente de Davi a preparação do ambiente. Se Davi estivesse empenhado em preparar ambientes para a ação de Deus, certamente teria entrado e buscado coisas saudáveis para povoar a sua mente excitada.


Mas não foi assim que aconteceu. Davi começou a construir e a decorar o ambiente para o pecado e o pecado já estava morando ali. “Davi mandou perguntar quem era. Disseram-lhe: É Bate-Seba, filha de Eliã e mulher de Urias, o heteu.” (1 Sm 11. 3). Era casada! Talvez aqui fosse o momento de Davi dar um breque e preparar o ambiente para Deus e não para o pecado. Davi deveria ter ligado o seu trator e destruído a pequena construção já erguida e decorada para o pecado.


Mas não foi assim que aconteceu. Davi quer possuí-la, e se empenha em preparar melhores condições de moradia para o pecado. “Então, enviou Davi mensageiros que a trouxessem; ela veio, e ele se deitou com ela.” (1 Sm 11. 4). Pronto, o pecado já havia se mudado definitivamente de “mala e cuia” para a vida de Davi. Talvez aqui fosse o momento de Davi ter se arrependido profundamente de sua loucura e destruído possibilidades de futuras ampliações e mais ambientes decorados para o pecado desfrutar.


Mas não foi assim que aconteceu. O pecado gosta de ter à sua disposição variados ambientes para morar. Bate-Seba engravida. Davi arma uma estratégia para parecer que o marido de Bate-Seba, Urias, a tinha engravidado, mas a estratégia falha. Talvez aqui fosse o momento de assumir o erro e desmanchar os próximos ambientes onde o pecado se hospedaria.


Mas não foi assim que aconteceu. O pecado quer ambientes onde promova o máximo de dor e destruição na vida das pessoas. Davi, então, arma o ambiente mais terrível e mais apreciado pelo pecado. “Pela manhã, Davi escreveu uma carta a Joabe e lha mandou por mão de Urias. Escreveu na carta, dizendo: Ponde Urias na frente da maior força da peleja; e deixai-o sozinho, para que seja ferido e morra.” (1 Sm 11. 14-15). Urias morreu! Talvez depois da morte de Urias, Davi devesse reavaliar a sua maldade e assumir a sua culpa diante das pessoas e de Deus, criando assim um ambiente onde o Senhor o guiasse.


Mas não foi assim que aconteceu. O pecado nunca está feliz. Ele sempre deseja uma nova decoração e um novo e inusitado ambiente para agir. Agora Davi casa com a mulher do homem a quem ele traiu e mandou matar. “Passado o luto, Davi mandou buscá-la e a trouxe para o palácio; tornou-se ela sua mulher e lhe deu à luz um filho.” (1 Sm 11. 27). Talvez fosse o momento de escutar a consciência e destruir os ambientes do pecado, toda a farsa, toda a mentira e se arrepender.


Mas não foi assim que aconteceu. Davi ficou quieto, mantendo vivos e decorados os ambientes que havia criado para o pecado. Davi até comprou aquela plaquinha e colocou no jardim da casa de vários cômodos construída para o pecado: “Aqui mora um pecado feliz!”


Porém, Deus, que é um destruidor dos ambientes do pecado, mandou até Davi um profeta chamado Natã, que com um trator de potência descomunal passou por cima de Davi e de seus ambientes desenhados engenhosamente para o pecado. “Por que, pois, desprezaste a palavra do SENHOR, fazendo o que era mal perante ele? A Urias, o heteu, feriste à espada; e a sua mulher tomaste por mulher, depois de o matar com a espada dos filhos de Amom.” (1 Sm 12. 9)


O trator do Senhor não deixa em pé sequer uma parede onde o pecado agiu. Davi sofreu muito com as conseqüências de preparar ambientes para o pecado morar. Sofreu muito para destruir as paredes já criadas para o pecado, mas conseguiu, debaixo de lágrimas e de muita dor.


Nós não somos diferentes dele. Também sabemos construir estes ambientes e os construímos. Cabe a nós sempre avaliar que tipo de ambientes estamos construindo, e ao menor sinal de que estivermos construindo ambientes ao pecado, pararmos imediatamente, ligarmos o trator e destruí-los totalmente, substituindo-os por ambientes onde Deus esteja e que O agrade.




Material extraído do site
http://www.esbocandoideias.com/